10 Kind Prophetic Manners

10 Boas-Maneiras Proféticas

Muhammad (PECE) é aquele cujo exemplo até mesmo os inimigos chegaram a reconhecer. E atualmente, possui quase um

Muhammad (PECE) é aquele cujo exemplo até mesmo os inimigos chegaram a reconhecer.

E,  atualmente, possui quase um bilhão e meio de seguidores. Seguidores que, mesmo sem nunca  tê-lo visto, estão dispostos a colocar a própria vida na linha por ele.

À ele, Deus concedeu  nada menos do que as melhores maneiras que um ser humano pode possuir. Tanto, que são  enfatizadas no próprio Alcorão—o livro que ele não só aceitou, como seguiu ao pé da letra.  Suas maneiras são, portanto, aquelas descritas e elogiadas dentro ele.

 

1) Verdadeiro e Honesto  

Muhammad foi, sem sombra de dúvidas, o homem mais verdadeiro e honesto de sua época.  Esses traços eram tão presentes em seu caráter que deixavam todos extremamente  impressionados. Dois dos títulos que recebeu por seu povo, por exemplo, são os de “Sadiq” (o  verdadeiro) e de “al-Amin” (o fiel).

Uma vez, ele (PECE) subiu em uma montanha conhecida como “Safa” e, referindo-se à várias  das tribos dos Quraish, começou a chamar:

Ó Bani Fihr! Ó Bani ‘Adi!”

Fez isso até se  reunirem naquele local. E aqueles que não puderam estar presentes enviaram seus  mensageiros para que os informassem o que estava acontecendo por lá. Abu Lahab, seu tio,  também compareceu. Então, finalmente, o Profeta disse:

Suponhamos que eu dissesse à  vocês que houvesse uma cavalaria (de inimigos) no vale, querendo lhes atacar. Por um acaso  acreditariam em mim?”

Eles responderam:

“Sim, pois nunca o vimos dizendo nada além da  verdade.”

Prosseguindo, ele (PECE) disse:

Sou, para vós, admoestador de uma punição  terrível.”

 

2) Generoso  

A generosidade do profeta (PECE) não era nada menos do que exemplar. Quando alguém o  pedia por algo que ele possuía, nunca dizia não. Tanto, que uma vez, quando um homem  pediu a roupa que ele estava usando, ele a tirou e a entregou para ele.

Musa B. Anas disse, sob a autoridade de seu pai: “Nunca aconteceu de o profeta ter sido  solicitado por algo relacionado ao Islam e que o tenha negado. Uma vez uma pessoa foi até  ele e ele a deu um rebanho enorme (de bodes e ovelhas). Essa, por sua vez, voltou até o seu  povo e disse:

Meu povo! Adentrem o Islam, pois Muhammad faz caridade como se não  tivesse nenhum medo de possuir desejos.” [Sahih Muslim]

 

3) Humilde  

Embora sua posição fosse a de líder, ele nunca se comportou como se fosse maior ou melhor  do que os outros. Jamais fez com que as pessoas se sentissem pequenas, desprezíveis ou  envergonhadas. Uma coisa da qual aconselhou seus seguidores é que vivam de forma decente  e gentil.

Outro fato que vale a pena ser mencionado é que, uma vez, quando homem foi até ele (PECE)  e ele falou com ele, ficou tão admirado que começou a tremer. Então, ele (PECE) disse:

Vá com calma. Não sou nenhum rei. Sou apenas um homem cuja mãe comia carne seca.”

Ele se relacionava com os pobres e necessitados, e até mesmo com as viúvas que vinham até  ele pedindo ajuda.

 

4) Tolerante  

Ele não só perdoou aqueles que o injustiçaram, como também orou até mesmo para aqueles  que o machucaram fisicamente.

Quando o profeta teve a oportunidade de retornar à Meca com 10.000 soldados, Deus deu à  ele a decisão sobre o que seria feito com aqueles que o haviam maltratado, perseguido,  expulsado, e que pretendiam matá-lo—aqueles que se tornaram um obstáculo não só para ele,  como também para seus seguidores, que foram mortos e torturados simplesmente por causa de  sua fé. Ao adentrar a cidade, um de seus companheiros disseram: “Hoje é um dia de  massacre!“ O profeta, porém, disse:

Não. Hoje é um dia de clemência.”

Então, prosseguiu em direção àqueles que haviam sido derrotados. Seus olhos transpiravam o  medo, e seus corações tremiam em espera do destino que os vitoriosos haviam preparado para  eles. E de acordo com suas próprias tradições, o correto a ser feito naquele momento seria  vingar a traição e a tortura praticadas, assim como a mutilação daqueles que haviam  participado das batalhas. Mas o profeta disse:

Ó, Quraysh! O que acham que deveria fazer  convosco?”

Eles responderam:

“Aquilo que é bom. És um irmão generoso e filho de um  homem generoso.”

Então, ele disse:

Vá, pois estão livres.”

Naquele momento, sentiram-se como se houvessem sido ressuscitados de seus túmulos. Tal  foi o perdão concedido pelo profeta! Seu coração possuía uma misericórdia tão grande, que se  estendia até mesmo aos seus inimigos. Se não fosse por isso, a história teria sido outra bem  diferente.

 

5) Piedoso para com os pequeninos  

Embora fosse o homem mais ocupado de sua comunidade, ainda assim encontrava tempo para  interagir com as crianças.

Anas bin Malik disse: “O Profeta costumava se interagir tanto com a gente, que chegava até  mesmo a perguntar ao meu irmão mais novo: ‘Ó Aba ‘Umair! O que o Nughair (um pássaro  de estimação que ele possuía) fez?’” [Sahih al-Bukhari]

Qual foi a última vez que qualquer um de nós, por exemplo, parou para consolar uma criança  por algo ruim que lhe tenha acontecido? Será que somos realmente mais ocupados do que o  profeta foi? Sim, as atividades mundanas das crianças podem sim parecer fúteis para nós.  Porém, ele as considerava importantes o suficiente para dar-lhes atenção. Em sua  misericórdia, consolou até mesmo um pequenino cujo pássaro havia morrido.

 

6) Piedoso para com os animais  

Ele era o ser humano mais clemente que alguém poderia encontrar. Isso, pois sua misericórdia  não se restringia apenas aos humanos. Ela incluía animais, e até mesmo seres animados. Era  tão bondoso, que quando qualquer gato se aproximava dele, abaixava um pote com água para  que ele pudesse beber com facilidade. E isso não somente uma vez, mas muitas.

 

7) Gentil com os órfãos  

O profeta não amava apenas aquelas pessoas que estavam ao seu redor—e muito menos só  aquelas que possuíam parentesco com ele. Ele considerava a sociedade como um todo, dando  atenção especial os órfãos. Como não possuíam ninguém para tomar conta deles, incentivava  aos seus companheiros que assim o fizessem.

Ele falou:

Eu e a pessoa que toma conta de um  órfão estaremos assim no paraíso.” Então, demonstrou o que estava dizendo com seus dedos  médio e indicador. [Sahih al-Bukhari]

 

8) Simpático com as pessoas  

Ele respondia tanto aos convites dos escravos, como daqueles que eram livres.

Apesar de seu  status e posição elevados, aceitava qualquer tipo de presente—mesmo que fosse o pé de um  carneiro ou um simples copo de leite. Não só isso, como também os retornava com outros  ainda melhores. Jamais aceitava caridade de ninguém.

Segundo Abu Hurayrah, ele disse:

Aceitarei aos convites que me forem feitos, mesmo que  sejam para uma refeição feita com a pata de um carneiro. E aceitarei também os presentes que  me forem dados, mesmo que sejam o braço ou a pata de um carneiro.” [Bukhari]

 

9) Era sempre visto sorrindo  

O jeito brincalhão do profeta era combinado com um ótimo senso de humor. Ele sorria muito  frequentemente, e vivia fazendo piadas com os membros de sua comunidade.

Uma vez, por  exemplo,

uma mulher de idade foi até ele e o fez um pedido: “Ó, Mensageiro de Allah! Faça súplicas para que Deus me permita adentrar o paraíso.” Ele respondeu: “Ó, mãe! Mulheres  idosas não podem entrar no paraíso.” Ela, então, começou a chorar e a se retirar daquele local.  O profeta disse: “Diga àquela mulher que ninguém adentrará o paraíso em estado de terceira  idade. Allah fará com que todas as mulheres do paraíso sejam jovens e virgens.” [Sunnah] 

 

10) Paciente  

O profeta jamais pressionou aqueles que estavam ao seu redor a aceitarem a religião. Muito  pelo contrário! Utilizava nada menos do que as formas mais agradáveis de se transmitir a  mensagem. Apesar disso, porém, durante sua missão, passou por todos os tipos de dificuldade,  e foi insultado de forma terrível por pagãos e opositores, tanto de sua família como de seu  povo. Foi, inclusive, também chamado de louco e de feiticeiro. Alguns chegaram não só a  querer matá-lo, como a preparar e executar, de forma fracassada, um plano de assassinato.  Mesmo assim, foi persistente no ensinamento das pessoas de todas as culturas sobre o Islam e  o Alcorão, bem como sobre boas morais e bom comportamento. Para eles, possuía apenas  paciência e orações.

 

Para resumir:  

“Realmente, tendes no Mensageiro de Deus um excelente exemplo para aqueles que esperam  contemplar à Deus e depararem-se com o Dia do Juízo Final, e que invocam Deus  frequentemente.” [33:21]


Mais recursos:

um breve guia ilustrado para compreender o islÃ
* A Verdadeira Religião de Deus
* ebooks gratuitos em português

Outras línguas:

EnglishрусскийDeutscheFrançais – Português

Share